A Campanha Contra a Violência Deve Ser Para a Família!


Temos ouvido muito sobre Campanhas a Favor da “Não-Violência” Contra a Mulheres e esta iniciativa é boa, justa, digna e decente.

Eu posso falar com segurança porque tenho uma mulher que amo dentro de casa, uma pequena de 9 anos que domina o pedaço e, além deste cenário, 3 filhas e 3 netas. As mulheres de minha vida foram/são além de minha adorada Keyla, minha avó Lolita (já falecida), minha tia Sônia e obviamente minha mãe. Posso afirmar com segurança que minhas 3 irmãs são personalidades que eu tenho um imenso carinho – mais do que com meus irmãos homens e, direi mais, embora transite num ambiente masculino em 70% de minha esfera de gestão da vida, minhas grandes referências para a vida estão na ética e ótica das mulheres como já defendi em diversos eventos e textos.

Mas, sou rigorosamente contra uma Campanha que não seja focada na família como um todo, que pretenda dizer-me que eu devo priorizar a ação contra a violência contra as mulheres e colocar esta pauta como relevante. Não é!

Obviamente vou demonstrar isto com FATOS e uma LÓGICA INDEFENSÁVEL no cenário da realidade brasileira HOJE E AGORA! Naturalmente digo agora e hoje, PORQUE OS DADOS ATUALIZADOS OFICIAIS APONTAM NESTA DIREÇÃO.

Também tenho arguido que não feminicídio no Brasil, valendo-me de dados formais e oficiais da pauta como indico em meu artigo publicado em http://textosevideos.professorjean.com/2018/07/18/no-brasil-nao-existe-feminicidio/

Não apoio um tratamento especial para as mulheres sob hipótese alguma! Os dados provam que são mais violentas que os homens; isto é definitivo na atualidade segundo o Mapa da Violência no Brasil; mas, vou além disto; as mulheres são responsáveis por uma aberração imensa e que não temos absolutamente NADA QUE SEJA FEITO DE SÉRIO e elas são as culpadas de tal aberração assassina!

Do que estou falando?

  • A cada minuto uma mulher pratica um aborto no Brasil – https://www.cartacapital.com.br/sociedade/aborto-a-cada-minuto-uma-mulher-faz-um-aborto-no-brasil – isto significa que todos os dias as mulheres matam objetivamente 1.440 bebezinhos por dia, 10.080 por semana, 525.600 por ano! E isto que se tem nos dados oficiais! Mas, eu pergunto, UMA MULHER QUE CONSTATA ISTO E NUNCA FEZ ISTO ACEITA SE CHAMADA DE ASSASSINA? Claro que não! Por isto, como homem que tem o envolvimento que tenho com as mulheres que já citei, não aceito que se faça uma Campanha especial para as mulheres no quesito violência como se elas fossem especiais porque à luz da Constituição Federal não são e também pelo Mapa da Violência não se justifica e, de saída aponto esta questão do aborto que coloca os dados do Mapa da Violência “no bolso” com seus 60 mil assassinatos. Na verdade, toda a violência praticada por adultos ou menores juntos chega na casa dos 12% do que as abortistas tem praticado diante do Deus Criador do Céu e da Terra!
  • PIOR AINDA – as mulheres estão tão envolvidas com assassinatos que me assombro com os dados. Em 2016 os dados apontaram 850 mil abortos no ano: https://catracalivre.com.br/cidadania/8-dados-chocantes-sobre-o-aborto-no-brasil-que-voce-precisa-saber/
  • NÃO CRITIQUE SEM ENTENDER – De acordo com o artigo 124 do Código Penal Brasileiro, o aborto é considerado um crime contra a vida. A pena prevista é de um a três anos caso o procedimento tenha sido provocado pela gestante ou com seu consentimento e de três a dez anos caso seja induzido por terceiros sem o consentimento da gestante. O aborto só não é punido em três situações: em caso de estupro, risco de morte para a mãe ou se o feto for diagnosticado com anencefalia, uma doença causada pela má formação do cérebro do feto na gestação.
  • MAS O NÚMERO DE MULHERES MORTAS POR ABORTO É UMA CALAMIDADE IMENSA – https://catracalivre.com.br/cidadania/8-dados-chocantes-sobre-o-aborto-no-brasil-que-voce-precisa-saber/ – a cada 2 dias uma mulher morre vítima do aborto inseguro no Brasil, portanto, de cada temos a certeza de 180 mortes. O povo brasileiro paga com seus impostos a internação de 250 mil internadas num rombo de 142 milhões no SUS só por causa desta prática assassina.
  • Uma em cada 5 mulheres até os 40 anos já abortaram no País, segundo a Pesquisa Nacional do Aborto desenvolvido pela ANIS – Instituto de Bioética, ou seja, PELA MÉDIA, toda vez que eu ando numa Igreja e vejo 100 mulheres, sei que ali temos 20 que, tendo esta idade já viver esta tragédia! As mulheres que abortam são em geral casadas, já tem filhos e se declaram CATÓLICAS, EVANGÉLICAS, PROTESTANTES ou ESPÍRITAS.

Mas, a pauta é violência contra as mulheres, não é mesmo?

Permitam-me um contraponto contra esta Campanha que está mal composta e que deveria ser UMA PARTE DA CAMPANHA CORRETA que no meu entendimento como Teólogo e Educador tem que ser CONTRA A VIOLÊNCIA FAMILIAR/DOMÉSTICA com foco objetivo no óbvio: defender a família – patrimônio intocável da Humanidade diante de Deus Altíssimo!

Mas, vamos aos dados?

(1) Os DADOS OFICIAIS INDICAM QUE AS MULHERES SÃO MAIS VIOLENTAS QUE OS HOMENS NAS QUESTÕES DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. Oopps! Fiquei doido? Não. Eis as bases seguras desta afirmativa:

(1.1.) A Jornalista Claudia Wild traz as fontes e dados no Jornal Extra aqui: https://jornalhoraextra.com.br/coluna/homens-as-maiores-vitimas-dos-assassinatos-no-brasil/

(1.2.) O eminente advogado Yves Zamataro do escritório Angélico Advogados, publicou importante artigo onde explora a realidade trágica de uma situação que não pode ser aceita de modo algum: A VIOLÊNCIA DE AMBAS PARTES! Mas, insiste no fato de que a violência feminina contra os homens tem sido covardemente ignorada pelos gestores sociais e os próprios homens tem vergonha de admitirem porque seria sinal de fraqueza. http://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI189666,71043-Violencia+domestica+contra+homens

(1.3.) Mas, VAMOS AOS DADOS OFICIAIS? A cada 1 mulher que morre no Brasil, morrem 11 homens. A cada 5 mortes por violência doméstica 4 são homens! Eu pergunto: por que temos que ter uma atitude especial para com as mulheres e CAMPANHA ZERO PARA A RAPAZIADA? Onde está esta base? No Mapa da Violência do Brasil: http://www.mapadaviolencia.org.br/

(1.4.) Segundo o mapa da violência 2012 tivemos 4.297 mulheres assassinadas no Brasil (http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2012/mapa2012_mulher.pdf) (pag 5). Não encontramos dados de homens nesse estudo, porém no outro estudo (http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2012/mapa2012_web.pdf) tivemos o total de 49.932 assassinatos no Brasil em 2010 (pag 18), portanto usando uma conta simples de 49932 – 4297 = 45.635 homens assassinados, ou seja, homens foram cerca de 91,5% das vitimas de violência no país.

(1.5.) É REVOLTANTE como OS PESQUISADORES DO MAPA se referem aos homens. Na página 5 do Mapa da Violência, na parte que trata das mulheres encontramos o seguinte dado: “Entre os homens, só 14,7% dos incidentes aconteceram na residência ou habitação. Já entre as mulheres, essa proporção eleva-se para 40%.”

ORA COMO ASSIM? “entre os homens SÓ 14,7% dos incidentes” – este SÓ é justo, plausível, aceitável, correto e digno? Pior ainda, o “nojento” (digo eu como sanguíneo-colérico que sou) não sabe fazer as contas. O Mapa indica que houve 8.426 assassinatos POR VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. Este é total! O documento oficial explica que 1.718 FORAM MULHERES – e tal número é uma aberração diante dos olhos de Deus e de seus servos, dos quais eu sou um! Agora, “SÓ 6.708” homens foram mortos por VIOLÊNCIA DOMÉSTICA.

(2) FENÔMENO OCULTO – Há um fenômeno oculto referente a ataque das mulheres contra os homens. Este primeiro aspecto deve ser considerado numa análise “sociológica”. Um excelente artigo sobre a pauta foi escrito pela jornalista Margarita Rodrigues da BBC e está em https://www.bbc.com/portuguese/geral-36884804 – segundo ela, o volume de homens que são objeto de (1) ataques psicológicos das mulheres é imenso, (2) apresenta narrativas de homens que foram esfaqueados e passaram por toda sorte de agressão e no entanto, não há absolutamente “nada sobre isto” na grande mídia e nem nos órgãos dos governos, embora as estatísticas oficiais demonstrem esta realidade. Como vimos no item “1”. Se verificardes no Site onde está o artigo, existem ONG’s dedicadas a verificar esta questão.

(3) Há um grande pesquisador brasileiro, Mathias Vaiano Glens é psicólogo graduado pela USP e possui mestrado em políticas públicas para a infância e adolescência pela mesma Universidade. Sua dissertação, “Órfãos de Pais Vivos: uma análise da política pública de abrigamento no Brasil” está disponível para download. Realizador desde 2016 do podcast Psicologia cast. Atualmente, é psicólogo do Núcleo Especializado de Cidadania e Direitos Humanos da Defensoria Pública do Estado de São Paulo. É palestrante nas áreas que envolvem Psicologia e Direitos Humanos e consultor/supervisor de instituições que trabalham na área social, inclusive realizando cursos e capacitações. Atua também na área clínica em consultório particular. POIS BEM, segundo este emérito investigador “a violência de homens e mulheres” começa com a violência doméstica – e não na idade adulta. Ora, é claro que se verifica que homens agridem mulheres e mulheres agridem homens, no entanto, a carga de crianças que são criados pelas mães (na esmagadora maioria dominadoras desta relação e que impedem os homens de liderar) e a quantidade de crianças que agridem as mães é enorme. Vale a pena ver o enunciado em https://psibr.com.br/colunas/mathias-glens/o-que-torna-um-homem-autor-de-violencia-contra-a-mulher

(4) EDUCAÇÃO DOMÉSTICA PERMISSIVA E VIOLENTA – Gleide Ângelo, Delegada de Polícia em http://noticias.ne10.uol.com.br/coluna/a-mulher-e-a-lei/noticia/2016/04/11/violencia-silenciosa-agressao-dos-filhos-contra-as-maes-608312.php divulgou o que considero um número preocupante. Me refiro ao número de filhos que agridem pais e que não se faz absolutamente nada porque apenas “a mulher” deve ser protegida de violência masculina. Os números assustam, 70,4% dos filhos agridem AS MÃES e, no entanto, por causa de uma tal “maternidade” não se denuncia absolutamente nada e não existe um “programa do Governo” contra esta aberração que surge exatamente da educação mal gerenciada é claro! Os filhos só se manifestam até onde se permite. A psicóloga Vanessa Damásio relata no documento que “reflete-se também na oposição e rejeição de todas as regras e limites estabelecidos pelos pais, fugas de casa, abandono dos estudos, com o intuito de magoá-los, controlá-los e sobrepô-los”. A Bíblia torna claro que a conduta dos pais pode ter forte influência — positiva ou negativa — sobre os filhos. (Provérbios 22:6; Colossenses 3:21) É claro que o ambiente familiar não justifica o comportamento violento, mas pode ajudar a explicar onde são lançadas as sementes do temperamento violento.

(5) FALTA DE DEUS NA VIDA DOMÉSTICA – Do lado masculino, por questões originalmente educacionais na família e depois por apego ao pecado a mensagem de Deus não surte efeito e ela diz: Os maridos devem estar amando as suas esposas como aos seus próprios corpos. Quem ama a sua esposa, ama a si próprio, pois nenhum homem jamais odiou a sua própria carne; mas ele a alimenta e acalenta, assim como também o Cristo faz com a congregação.” — Efésios 5:28, 29. Mas, a Palavra de Deus colocas as coisas em igualdade ao declarar que o papel da mulher é como o apóstolo Pedro recomendou algo que as esposas já mencionadas têm demonstrado, ou seja, “adorno” — mas não por darem atenção exagerada ao “trançado externo dos cabelos” ou ao “uso de ornamentos de ouro”. Em vez disso, Pedro disse: “Seja [seu adorno] a da pessoa discreta no do coração, na vestimenta incorruptível dum espírito quieto e brando, que é de grande valor aos olhos de Deus.” Esse espírito se reflete tanto no tom de voz como nos modos apropriados, em vez de atitudes desafiadoras ou exigentes. Desse modo, a esposa cristã mostra seu profundo respeito pelo marido. — 1 Pedro 3:3, 4. Pedro escreveu: “Assim se costumavam adornar também antigamente as santas mulheres que esperavam em Deus, sujeitando-se aos seus próprios maridos.” (1 Pedro 3:5) – este padrão de mulher não é agredida por um marido, porque seu PODER MORAL é santificado pelo PODER DA PRESENÇA DO ESPÍRITO DE DEUS!

(7) Naturalmente sempre tem a imensa zoada das feministas! Mas, não gastarei nunca um único minuto com elas, porque é da Palavra de Deus que estou tratando e elas não querem saber de Deus, porque para se envolverem com Sua Palavra, terão que aceita-la na íntegra e isto coloca todas elas em estado de rebelião contra este mandamento: “Assim como a congregação está sujeita ao Cristo, também as esposas estejam sujeitas aos seus maridos, em tudo.” — Efésios 5:23, 24,33. Em 37 anos de vida religiosa eu acompanhei casos em que as mulheres infernizaram tanto muitos homens que eles perderam a compostura e se tornaram violentos. Ora, isto justifica a violência? Claro que não, teríamos que ser estúpidos intelectuais para não perceber a ordem dada no mandamento que submete as mulheres: o marido deve agir como Cristo! Todavia, já acompanhei muitas situações em que a mulher ofende a dignidade de homem do marido, com palavras irritantes e ele chega a um colapso de ira! Este tipo de problema está ajustado na PLENA AUTORIZAÇÃO PARA UM JUSTO DIVÓRCIO NOS SEGUINTES TERMOS: “é melhor morar numa terra deserta do que com a mulher rixosa e irritadiça” (Provérbios 21:19). E hoje há a justificativa da TPM – contra a dignidade da honra masculina que pode ser esculachada só porque a mulher rixosa se vale deste argumento para agredir o marido (e até outras pessoas!) – é preciso abrirmos mais o painel da causa da violência nas famílias, porque vimos no item “1” que há um expressivo número de mulheres que ofende severamente o homem e depois posa de coitadinha para coloca-lo em humilhação pública.

(8) UM ESTUDO APROFUNDADO DA DEFICIÊNCIA EDUCATIVA, RELIGIOSA E EMOCIONAL DOS HOMENS – No link: https://papodehomem.com.br/uma-geracao-de-homens-criados-pelas-maes/ encontramos um excelente artigo do Dr. Brett McKay, e sua esposa Kate, que são os fundadores do site Art of Manliness(Arte da Masculinidade) (ver em https://www.artofmanliness.com/). No referido documento ele explica com riqueza de detalhes como a mentalidade masculina é abandonada em diversos níveis sociais e para se autoafirmar se torna agressiva, competitiva, individualista e violenta. NÃO É UMA JUSTIFICATIVA É UMA EXPLICAÇÃO SOBRE O PANO DE FUNDO.

(9) PODER FÁLICO QUE AS MULHERES QUEREM? No eminente jornal francês “Le Figaro”, com boa tradução neste link a seguir, somos informados que proeminente pesquisa tem demonstrado que há um sério distúrbio em mulheres que são mandonas. Isto mesmo: https://www.brasil247.com/pt/saude247/saude247/223091/Mulheres-violentas-Elas-estão-em-busca-de-poder-fálico.htm – é uma dura crítica que será usada de modo desonesto por muitas viciadas em causas feministas, mas que se explica no próprio artigo: “A grande maioria dessas mulheres foi vítima de violência e de rejeição. Elas experimentaram um caminho que é muito parecido com o das suas vítimas. Muitas vezes, elas não tiveram um pai verdadeiro. Tiveram um pai ausente, ou desqualificado para a tarefa. A figura do pai, para elas, passa a ser desvalorizada, torna-se insignificante. Essas mulheres têm muita dificuldade para se impor como mulheres, e não se sentem seguras na sua identidade feminina.” – Estas palavras são de algum homem que quer justificar um suposto direito de homens agredirem mulheres? Não de forma alguma! É de autoria de Liliane Daligand é psiquiatra, professora de medicina legal na França. Nome do Livro onde a pesquisa se manifesta? La violence féminine(A violência feminina), Editora Albin Michel. – Hemos de colocar sempre sobre a mesa um ponto e um contraponto.

(9) E A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA DAS LÉSBICAS? Sim, porque a pecha de que homens são os vilões de violência doméstica contra a mulher fica abalada como “única hipótese” ao se verificar em estudo atualizado que a barra é complicada no universo lésbico. Veja-se em https://www.ces.uc.pt/myces/UserFiles/livros/1097_RCCS_98_ACSantos.pdf – um trabalho científico produzido na Revista Crítica de Ciências Sociais. Não comentarei, o texto é excelente e deveria ser lido por quem tem cuidado em ajuizar as coisas com justo equilíbrio. A Mestra Maria Fontes da Universidade Fernando Pessoa de Portugal abre um painel interessante sobre esta crise entre as Lésbicas demonstrando que violência é violência e não tem sexo: http://knoow.net/ciencsociaishuman/psicologia/violencia-conjugal-lesbica/

(10) Concluo defendendo os homens? De modo algum! O Satanás, devidamente identificado na Bíblia como o maldito que veio roubar, matar e destruir está por detrás desta peste da violência! Não há glória em absolutamente nada quando o assunto é violência de qualquer tipo. Mas, é importante verificar pesos e contrapesos na questão de se defender UMA CAMPANHA QUE DEFENDA AS MULHERES COMO SE FOSSEM MAIS QUE OS HOMENS – isto está errado à luz da Bíblia, da Constituição Federal e do bom senso. Os seres humanos não devem ser vítimas de violência. Ponto! Mas, não podemos aceitar campanhas injustas!

(10.1) Neste link há um excelente artigo que desenvolve uma boa lista de ARTIGOS QUE APROFUNDAM ESTE OUTRO PONTO DE VISTA: http://libernews.com.br/2017/03/31/estudo-diz-que-homens-sao-as-maiores-vitimas-de-violencia-domestica/

(10.2) Os dados que anunciamos no início deste Artigo estão à disposição em https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/direito/dados-da-violencia-contra-o-homem/61773 – com um comentário moderador bem redigido.

(10.3) No Canal de Ciências Criminais os dados oficiais são colocados como contrapeso justo na arguição da demanda em apreço: https://canalcienciascriminais.com.br/violencia-afetiva-contra-homens/

(10.4) Os homens reagem com silencia à agressão feminina – https://www.publico.pt/2017/03/10/sociedade/noticia/maioria-dos-homens-vitimas-de-violencia-domestica-reage-com-silencio-1764761

(10.5) Para entender como o feminismo é terrível e não tem lógica leia-se na Revista de Política e Direito este artigo: https://politicaedireito.org/br/a-violencia-domestica-contra-os-homens/

(10.6) A Lei Maria da Penha tem sido aplicada para proteger homens em situações de violência doméstica – https://direito-publico.jusbrasil.com.br/noticias/157860/lei-maria-da-penha-e-aplicada-para-proteger-homem

(10.7) Artigo de excelente abordagem do tema – http://www.soupaisolteiro.com.br/comportamento/violencia-domestica-contra-homens-existe/

(10.8) Um Instituto que lida com tráfico de pessoas, violência em toda a sua amplitude discutiu o tema de modo sério e aponta que OS HOMENS QUE SÃO VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA PRATICADA POR MULHERES FALAM NA TERCEIRA PESSOA POR VERGONHA DE ADMITIR QUE APANHAM DE MULHER.

http://grupovioles.blogspot.com/2016/09/violencia-contra-homens-envergonhados.html

(10.9) Os homens na sua maioria, diante do assédio violento das mulheres diz: não bato em mulher! http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/12/tinha-medo-do-que-iam-pensar-de-mim-diz-homem-vitima-de-violencia-domestica.html – mas apanham e ficam calados ou, quando não ficam matam. Porém, os números do mapa da violência mostram um número de homens assassinados em violência doméstica que é 5 vezes superior ao contrário.

CONCLUSÃO

Fica aqui minha consideração sobre o assunto que não tem sido tratado com isonomia adequada nos grande centros!

A violência contra a mulher é uma aberração anticristã, diabólica, desgraçada e amaldiçoada!

Mas, eu defendo uma pauta mais ampla: “NÃO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E PRO-FAMILHISMO NO MODELO JUDAICO-CRISTÃO” – mas não com esta ênfase na mulher, pelos fatos e provas que indiquei aqui neste Artigo.

Deus nos ajude!

Prof. Jean Alves Cabral

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *